Projetos renováveis custam menos que o combustível fóssil mais barato

A Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), divulgou relatório que aponta um aumento na parcela de empreendimentos renováveis que alcançaram custos menores do que os projetos que utilizam combustíveis fósseis. Segundo a pesquisa, esse número praticamente dobrou, alcançando 162 gigawatts (GW) de geração limpa, correspondendo a 62% do total gerado em 2020. O estudo diz […]

A Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), divulgou relatório que aponta um aumento na parcela de empreendimentos renováveis que alcançaram custos menores do que os projetos que utilizam combustíveis fósseis. Segundo a pesquisa, esse número praticamente dobrou, alcançando 162 gigawatts (GW) de geração limpa, correspondendo a 62% do total gerado em 2020.

O estudo diz que os custos relacionados a fontes não poluentes tiveram quedas anuais, sendo essas:

  • Solar fotovoltaica (-7%)
  • Eólica onshore (-13%)
  • Eólica offshore (-9%)

De acordo com o diretor-geral da Irena, Francesco La Camera, estes números representam o fato de as fontes renováveis estarem cada vez mais baratas atualmente. Com isso, as opções renováveis oferecem a vários países uma geração limpa para saírem dos modelos tradicionais ligados ao carvão. 

La Camera ainda afirma que a geração limpa garante uma agenda econômica mais segura e atrativa, aumentando a demanda energética para os países emergentes e, consequentemente, criando mais oportunidades de emprego e crescimento econômico consciente.

Garantia de investimento

Para a entidade, a adesão às fontes renováveis está superando os custos operacionais das usinas de carvão em funcionamento. Prevendo uma economia de U$ 156 bilhões com empreendimentos de energia limpa, e diminuindo em pelo menos U$ 6 bilhões por ano os custos referentes a utilização de combustíveis fósseis nos países emergentes.

A pesquisa da Irena ainda estima que, as instalações renováveis – tanto eólicas, quanto fotovoltaicas – em 2021 passem a custar menos do que os 800 GW de geração de carvão existentes no mundo. O desligamento destas usinas resultaria na redução de U$ 32,3 bilhões relacionados a custos de geração, aproximadamente. E ainda evitaria a emissão de 3 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera por ano.

Perspectivas para o futuro

Os dados estimativos da Irena para 2022 apontam que, os custos globais relacionados a energias renováveis tendem a cair ainda mais, com a eólica onshore custando entre 20-27% menos que a geração de carvão mais barata. No cenário fotovoltaico, a entidade aponta que 74% de todos os projetos do setor nos próximos dois anos terão um preço inferior ao da energia gerada por carvão.

O relatório conclui que as fontes renováveis são a tendência para o futuro do sistema elétrico global, gerando cada vez menos custos operacionais e oportunidades econômicas a serem exploradas em setores como transporte, edificações e indústrias.

5 passos para tornar o seu negócio sustentável

Se você gostou da informação, veja este post onde falamos sobre como o acionamento das usinas termelétricas afetará o consumidor em 2022.

Boa leitura, e até a próxima.

Redator publicitário na Dusol Engenharia. Formado em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário IESB. Escritor, leitor voraz, espiritualista e nerd viciado em X-Men. Acredita no poder da diversidade no desenvolvimento de um mundo melhor.

Compartilhe:

Posts Relacionados

Voltar ao topo