Quais os principais custos fixos de uma indústria?

Saiba também como reduzi-los! A indústria, assim como qualquer outro negócio, precisa de planejamento para projetar suas atividades futuras. Para isso, é fundamental o levantamento dos principais gastos e despesas, além da receita e do lucro gerado, até para que planos de investimento possam agregar mais valor aos produtos industriais ou para que os custos fixos de […]

Saiba também como reduzi-los!

A indústria, assim como qualquer outro negócio, precisa de planejamento para projetar suas atividades futuras. Para isso, é fundamental o levantamento dos principais gastos e despesas, além da receita e do lucro gerado, até para que planos de investimento possam agregar mais valor aos produtos industriais ou para que os custos fixos de uma indústria sofram uma redução, aumentando ainda mais as margens de lucro.

No post de hoje, saiba quais os principais custos fixos de uma indústria e como reduzi-los.

Custos fixos de uma indústria

Os custos fixos de uma indústria são definidos pelas despesas que não variam de valor ao longo do tempo. São encargos cobrados todos os meses, sem variação, como, por exemplo:

– Aluguel de equipamentos;
– Aluguel de galpões;
– Serviços de limpeza;
– Serviços de segurança;
– Salários de funcionários;
– Impostos fixos.

Despesas variáveis

As despesas variáveis decorrem de custos cobrados todos os meses, mas com os valores alterados conforme o fluxo de produção e atividades. São despesas variáveis de uma indústria:

– Conta de luz;
– Conta de água;
– Aquisição de matéria-prima;
– Logística e distribuição;
– Emissão de boletos;
– Impostos sobre produtos.

É fundamental que a indústria também esteja preparada para gastos esporádicos, como seguros, manutenções, publicidade, investimentos, entre outros.

Como aumentar os rendimentos na indústria?

Investir na otimização de processos administrativos e de produção e adotar medidas que diminuam os custos fixos de uma indústria podem ser grandes ferramentas para aumentar os rendimentos. Para isso, algumas mudanças são fundamentais, desde coisas mais simples na rotina de trabalho até investimentos de longo prazo.

1. Economia de água

A indústria está entre os setores que mais consomem água. Em São Paulo, são cerca de 40% de toda a água disponível para abastecimento em rios. Economizar água neste setor é, então, primordial não apenas por economia financeira, mas também para adotar uma atitude mais sustentável.

Como o emprego desse recurso na indústria é referente a processamentos, etapas de limpeza, resfriamento, entre outros, uma boa solução é adotar a água de reuso, que consiste em reutilizar o recurso hídrico proveniente das redes convencionais. Para isso, são usadas técnicas de tratamento dessa água residual na própria indústria, sem passar pela Estação de Tratamento de Esgoto.

Como após o tratamento a água costuma ter uma qualidade inferior em relação à água potável (por tanto, não se pode ingerir esta água), seu emprego é ideal para as atividades industriais, uso nas descargas de banheiro e nos processos de fabricação.

O investimento faz com que o mesmo recurso seja empregado mais vezes dentro da indústria e ainda reduz consideravelmente os custos com as contas de água.

2. Organização

Um ambiente desorganizado é o cenário perfeito para que haja desperdício. Assim, a organização facilita o bom aproveitamento, a otimização de atividades, ajudando na tomada de decisões adequadas e na eficiência dos processos. Com base na busca por um padrão de qualidade, os japoneses desenvolveram a metodologia 5 S, que deve ser aplicada em toda a rotina da indústria e promete melhorar a produtividade.

Com as mudanças nas rotinas de trabalho, e consequente diminuição dos custos fixos de uma indústria, a técnica pretende:

  • Eliminar tudo que for desnecessário;
  • Organizar a indústria de forma a tornar a atividade mais eficaz;
  • Melhorar os níveis de limpeza e, assim, de organização;
  • Criar normas claras para as atividades;
  • Incentivar a melhoria contínua em todos os setores da indústria;

3. Energia solar

Produzir a própria energia é um dos melhores investimentos na busca pela redução dos custos fixos de uma indústria. A instalação de painéis fotovoltaicos feita nos telhados evita a perda de espaço físico, e, além disso, a produção de energia, que ocorre somente durante o período de sol – ou seja, durante o dia – pode ser toda empregada nas atividades industriais, reduzindo os custos com a conta de luz significativamente.

O sistema solar fotovoltaico fornece energia para todas as etapas da produção, desde o maquinário até os escritórios administrativos. Somado à economia, a energia solar fotovoltaica é uma fonte limpa, renovável e moderna e pode agregar valor à marca por ser uma atitude sustentável. Além disso, já existem disponíveis diversas linhas de financiamento que apoiam indústrias a obter sistemas fotovoltaicos.

Diversas medidas podem aumentar os rendimentos de uma indústria, principalmente em relação aos gastos fixos e variáveis. Com isso, é possível aumentar a margem de lucro e ainda usar esses recursos no aprimoramento e implementação de outras medidas que melhorem ainda mais a qualidade dos produtos e do ambiente de trabalho.

Quer saber mais sobre os benefícios da energia solar na indústria? Acompanhe o blog da Dusol Engenharia Sustentável e até a próxima.

Carlos Bouhid
Diretor Administrativo da Dusol Engenharia Sustentável.

Compartilhe:

Posts Relacionados

Voltar ao topo